Os traços comuns presentes nos vinhos da planície alentejana são numerosos, isso num cenário que conta com multiplicidade de castas existente nos encepamentos, variações regionais vincadas, uma gritante heterogeneidade de solos característica de Alentejo, afloramentos espalhados de barros, granito, xisto, calcários, calhau rolado e argilas.

A vinha no Alentejo possui cerca de 22 100 hectares de área ou apenas 10% do espaço dedicado a cultura em todo o país. É nesta região onde pode ser encontrado os solos mais pobres, com exceção de algumas vinhas velhas, a cultura é basicamente estreme. Contando com terrenos com declives leves.

Desta regra apenas Portalegre foge o padrão. Nesta região a vinha em encosta é o que predomina.

O abrolhamento das castas precoces é o que marca o começo do ciclo vegetativo da videira, algo que geralmente acontece em Março. Já faz alguns anos que boa parte das vinhas alentejanas estão sob uma prática de proteção que reduz o uso de pesticidas e seleciona apenas os menos tóxicos com uma aplicação racionalizada.

Tanto nas vinhas velhas quanto nas mais novas, as plantações são alinhadas. A condução comum é a vinha baixa que apresenta uma expansão vegetativa que vai de pequena a média.

No Alentejo, castas autóctones são o que imprimem um caráter regional forte.

No Alentejo as seguintes castas são obrigatórias na fabricação de produtos vitivinícolas DOC Alentejo e devem resultar em conjunto ou isoladamente 75% do lote final no mínimo:

Castas brancas: Perrum; Rabo-de-Ovelha; Antão Vaz; Arinto; Fernão Pires; Manteúdo; Síria (Roupeiro); Trincadeira das Pratas (Tamarez).

Castas tintas: Cabernet Sauvignon; Castelão; Alfrocheiro; Alicante Bouschet; Aragonez; Syrah; Touriga Nacional; Trincadeira.

Enquanto que as castas que podem ser utilizadas na elaboração de produtos vitivinícolas DOC Alentejo, e devem resultar em conjunto ou isoladamente 25% do lote final no mínimo são as seguintes:

Castas tintas: Moreto; Petit Verdot; Pinot Noir; Tannat; Tinta Barroca; Tinta Caiada; Tinta Carvalha; Tinta Miúda; Tinto Cão; Baga; caladoc; Carignan; Cinsaut; Corropio; Grand Noir; Grenache; Tinta Grossa; Manteúdo Preto; Merlot; Touriga Franca; Zinfandel.

Castas brancas: Gouveio; Larião; Malvasia Rei (Assario); Moscatel Graúdo; Mourisco Branco; Pinot Gris; Alicante Branco; Alvarinho; Bical; Chardonnay; Chasselas; Diagalves; Encruzado; Gewurztraminer; Riesling; Sauvignon; Sémillon; Sercial; Tália; Verdelho; Viognier; Viosinho.

Estas foram algumas das características das vinhas de Alentejo, o tradicionalismo aqui é forte, juntamente com a necessidade e esforço pela sua proteção destacado pela prática de proteção que remove o uso de pesticidas de uma forma parcial.